quinta-feira, 28 de abril de 2011

Super estimada discrição

Vivo febril e não encontro um remédio
que consiga me baixar a temperatura;
sinto frio com o corpo quente,
pusilânime eu sou.

Tenho medo de altura,
de gritos e de apagões
em meio a multidões, contudo,
me obrigam a assistir a isso tudo
na cadeira da plateia inexperiente,
proferindo "que surpreendente!",
fingindo gostar do que vê.

Cansada, enfim, 
durmo eu assim
delirando até o acordar,
antes de no espelho eu me fixar
cheia do ressentimento universal;
quem sabe quando morrer a hora,
paro eu de ser carente profissional.

Nenhum comentário: