quinta-feira, 7 de abril de 2011

Ninguém disse que sonho e sanidade devem condizer

Deixa eu guardar teu sono
numa tarde de outono
quando as folhas caírem
e não houver mais ninguém

Deixa eu saber dos teus medos,
te cantar uma música do Frejat
qualquer uma que você conheça
ou um verso pra que você não me esqueça
mesmo que só te lembre o meu desafinar

Eu não canto como os pássaros
também não aprendi a tocar violão
minhas rimas não te convencem
e raramente sei sonhar de um jeito são.

Nenhum comentário: