terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Narciso e Narciso

- Ferreira Gullar

Se Narciso se encontra com Narciso

e um deles finge

que ao outro admira

(para sentir-se admirado),

o outro

pela mesma razão finge também

e ambos acreditam na mentira.


Para Narciso
o olhar do outro,
a voz do outro, o corpo
é sempre o espelho
em que ele a própria imagem mira.

E se o outro é
como ele
outro Narciso,
é espelho contra espelho:
o olhar que mira
reflete o que o admira
num jogo multiplicado em que a mentira
de Narciso a Narciso
inventa o paraíso.

E se amam mentindo

no fingimento que é necessidade
e assim
mais verdadeiro que a verdade.

Mas exige, o amor fingido,
ser sincero
o amor que como ele
é fingimento.

E fingem mais
os dois
com o mesmo esmero
com mais e mais cuidado
- e a mentira se torna desespero.
Assim amam-se agora
se odiando.

O espelho embaciado,
já Narciso em Narciso não se mira:
se torturam
se ferem
não se largam
que o inferno de Narciso
é ver que o admiravam de mentira.

Um comentário:

Supertramp disse...

Tem um quadro do Salvador Dali, com Narciso:

http://4.bp.blogspot.com/_KsIHAwJEiu4/TLDUbKwxhuI/AAAAAAAAALM/Lrc1a3F1ehE/s1600/3Salvador-Dali-Metamorphosis-of-Narcissus+%281%29.jpg

Ferreira Gullar! O cara é geinal!
Percebi isso quando li esse poema:

"No Piauí de cada 100 crianças que nascem
78 morrem antes de completar 8 anos de idade

No Piauí
de cada 100 crianças que nascem
78 morrem antes de completar 8 anos de idade

No Piauí
de cada 100 crianças
que nascem
78 morrem
antes
de completar
8 anos de idade

antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade"