domingo, 30 de janeiro de 2011

Fico assim

Tinha guardado uma frase pronta pra dizer
mas perto de você mal sei o que é falar;
eu não sou a pessoa mais articulada do mundo
a timidez vem no silêncio profundo
que sua presença me impõe

Coisa estranha que você me causa
de te ver já me dá náuseas
e não é por aversão;
quando gosto demonstro
o contrário sem querer
é grave o meu defeito
acho caro o conserto
e prefiro omissão

Talvez porque deva ser você
o meu emendador de ossos.

Caí na nostalgia

Tenho mania de nostalgia e as últimas semanas viraram os meus poucos anos atrás de um jeito tão infantil, tão gostoso. Adoro as pequenas coisas que passaram, adoro aqueles planos insanos, bobos, feitos ouvindo música até às três da manhã: eu tinha um melhor jeito de enganar o tédio, e sonhos... como eu tinha sonhos... Eu não sou menos feliz sem as ilusões que foram minhas um dia, sou menos feliz na falta da inocência que deixava tudo mais leve e limpo. Já fui criança e hoje sou mais uma pessoa que queria ser outra vez.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Meu sol

Se faz sol
eu quero chuva
e se chove
- girassol
Se é claro
quero escuro
quando vejo o arrebol
lá de cima do telhado
que ficou todo molhado
da chuva que já veio
e que parou no meio
quando eu vi você chegar.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Afeição

Você me faz bem
eis entregue meu ponto fraco
atado ao meu ponto de apoio

Eis o meu verso perdido
entre ser amor e ser amigo
opções às quais quero uma escolha
me escolha!

"Acho seus olhos bonitos",
pois os seus também são.

Ego em desamor

Não é fome
não é frio
é vazio interior
não é riso
porque não é piada
o que lhe resta de humor

Não é quente
o sangue que não pulsa
e, enfim, o corpo sente
qualquer mudança de ambiente
(qualquer história avulsa
de amor não correspondido)

Enquanto a dor não passa
ele constrói um esconderijo
alheio ao coração bandido
que lhe fez sofrer uma vez mais

O ego não perdoa
o que o lado esquerdo faz;
ele aprendeu a ser auto-suficiente
ficou um pouco menos gente
e então deixou de amar.

domingo, 23 de janeiro de 2011

(In)quietude

Me diga que é coisa da minha cabeça
esse frenesi rasgado que virou silêncio
me deixando à mercê do pessimismo,
coisas nada boas nas quais pensar
- E esses segundos que não passam!

Será você quem dará o primeiro sopro?
O primeiro a estourar essa bolha de ar?
Me sinto em um canto de quarto escuro
repreendida por dar ouvidos ao mundo
e com medo de confiar em meu próprio eu,


quem será que sou eu?

A vida que não é literatura

" Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. [...] Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso. "
Fernando Pessoa


Seria bom ignorar a vida do jeito que fazem sempre os livros, ter o poder de ser com apenas caneta e papel. Seria quase como ser Deus, dono do destino, do acaso e das circuntâncias: equilibrar as inconstâncias, acordar de manhã e dizer "hoje serei assim porque eu quero"

Só me pergunto se estaria realmente acordado quem dissesse, iria parecer até que não conhece um milésimo do que é viver. Infeliz ou felizmente, a vida não se rende nem com guerras, não obedece a nenhum de nossos caprichos, pelo menos. Apenas viva a vida, entendê-la é coisa de poucos e eu estou entre os muitos que não sabem o que dizer.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

sf. Med. Perda total ou parcial da memória

Ei, senhor, veio peça faltando!
Juro que não entendo o impasse:

Não tenho amado e vivo amando,
não me dói e tenho sofrido
de pimenta doce e de beijo ardido
por deixar o coração sem comando

Tenho eu saída favorável
de uma tragédia teatral?

- Amnésia e sorriso forçado,
diz a voz da consciência.
Agora aguente a sua sina
e esqueça que viveu a menina
a todo momento de sonhos sutis.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Da metade eu já sei

Tenho um instinto de auto-defesa
que me impede de sentir dor
mas as possíveis dores prevenidas
acabam se transformando em meu horror

Posso até conhecer o arrependimento
- porque viver é arriscar,
mas há coisas que não se pode perder,
há aquelas que vão mesmo acontecer
e há outras que não se pode mudar

Me ensine o que é viver de verdade,
mas quero vida por inteiro
Ando realmente cansada desta metade
que não leva a lugar nenhum

domingo, 16 de janeiro de 2011

Confiança

Vista o sorriso que vier enquanto a vida
docilmente escapar-lhe pelos dedos
Você não precisa pintar máscaras
se enfrenta seus próprios medos

Se tudo estiver caindo por terra
e você vir o céu num véu escuro,
saiba que você é seu melhor amigo
e que consigo já estará seguro

Só não se perca no "eu me basto"
que este meu pequeno conselho deixa pressuposto
Entenda as lágrimas que lhe percorrem o rosto
e confie nas pessoas que mais lhe inspiram gratidão

(Não nesta ordem
pois a confiança nata, de lei,
não é opção
)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Engano de humor

Meus pés estavam acostumados a outro chão
meus ouvidos, a um outro não
quando minha boca pedia sim

Hoje ouço uma música nova
mal acredito, o que lhe comprova?
O que faz tudo isso ser pra mim?

Devo estar delirando
depois de todo esse tédio matinal
porque minha felicidade é marginal
se tratando do presente momento

Felicidade é um estado de humor
e assim como o humor,
vai-se com o tempo
com o vento
sem forma, aparência ou odor.

Sol, pode me ouvir?

Queria algo além da melancolia
quando os dias estão chuvosos
Um pouco de luz muito bom seria
para espantar estes sentimentos nebulosos:

Garoa que salpica tristeza
enchentes de ódio que vem e vão
granizo da indiferença
e tempestades de aversão

Em janeiro o sol adora ser visita,
adora também estar sempre de passagem
como se ele não fosse bem-vindo...

Mas como não é bem-vindo
aquele que de tudo melhora a imagem?

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Queria eu ser Freud

Vou ao fundo deste mundo
que está adormecido
Vou sem medo e muito sóbria
aonde tudo é protegido

Com licença, Subconsciente,
posso em minha própria casa entrar?
Posso eu abrir as janelas
deixando o obscuro clarear?

Me explique sobre esse desespero
e o porquê dessa contradição
Me responda quem manda mais:
o senhor ou o coração?

Pela parte que me toca

Obrigada por acabar com esta amizade de infância repentina
Foi tudo uma farsa, e garanto que o fingimento veio de você
Se em sua vida não há limites, ótimo, na minha há muitos
Pessoas que sempre têm tudo reclamando por coisas inúteis?
Tsc, tsc!


Odeio dramas sem fundamento
- E você acha que eu estou me importando?
Chame isso de um grande favor.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Now playing #3

No more
Three Days Grace

Give me a reason to stay
'cause I don't wanna live in fear
(don't wanna live in fear)
I can't stop the rain
But I can stop the tears
Oh I can't fight the fire
But I can fight the fear

No more, I just can't live here
No more, I can't take it, can't take it
No more, what do we stand for
When we all live in fear

Give me a reason to believe
'cause you don't wanna see me leave
I can't stop the rain
But I can stop the tears
Oh I can't fight the fire
But I can fight the fear

Enchanté

Às vezes me sinto vazia,
dos meus males temo este ser o maior
o vazio nunca foi remediado como deveria
e há dias nos quais eu me sinto pior

Sinto apenas falta de algo ou de alguém
quando passo acordada noite adentro
quando estou na tempestade sem nenhum alento
ou quando minha cabeça começa a doer

Há febre e delírios nestes momentos únicos
que tornam eternos os poucos minutos
de ressentimento e de desamor,

Mas quando a chuva passa
me vejo no espelho cinza e sem graça
esperando pelas cores do verão

A vida é cheia de rompimentos e recomeços
então venha e vista seus adereços
para se divertir num carnaval sem samba

Enquanto minha cabeça gira
sinta-se apresentado à minha lira
e às pobres rimas que vêm anexas

Ria das pequenas tragédias

Te deixo mensagens em códigos, gestos e indiretas
e espero que isto não seja do seu conhecimento
porque há muito experimentei o contentamento
para me dar ao luxo de tentar coisas mais sutis

A você não devo culpar
te olhar já me faz um grande bem
sigo contigo até encontrar outro alguém
por quem eu platonicamente,
mais uma vez,
irei me apaixonar

Você que lê não me veja
como dada a lamentos e melancolia
pois a cada desencanto e a cada dia
meu senso de humor se prova melhor

Eu adoro toda esta auto-depreciação!
É algo tão teatral e tão libertador
que descobri que não há muito pudor
em minha relação com meu próprio ego.

domingo, 9 de janeiro de 2011

I hope it's gonna make you notice ♪

Descreva-me com sua poesia do mundo
que a mim há de causar a sublime paz
provinda deste caos profundo,
que me devora com fome voraz

Note-me como eu lhe notei há séculos atrás
Cante-me uma canção ao pé do ouvido
e diga que seu futuro é comigo
(e largue daquela outra, aliás)

Sou possessiva mas também sei ser gentil
Pinte-me em seu céu azul anil
e deixe-me lhe pedir uma vez mais:
Note-me como eu lhe notei há séculos atrás.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Honrem-se

Cansada desses brasileiros que pagam de estadunidenses, mal o Brasil conhecem e já se vestem com um INY berrante. Quilômetros longe da xenofobia (pois isso são eles que têm contra nós), apenas dêem mais valor ao lugar que nasceram e à nossa história que não é tão ruim assim.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Olá, sr 2011

O dia me mostra o mês
e eu não sei se gosto do que vejo
O mês revela-me o ano
e meu otimismo desenha o que almejo

Talvez seja a sensação de transição
Mudanças, ouso dizer
Porque em um ano novo,
a vida nova é você quem deve escolher.