sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Mais uma estrofe ao desencanto

Apenas siga o caminho destas palavras que eu estarei a esperar
Talvez você demore, e quem sou eu para lhe obrigar?
Mas não demore minha vida toda, enfim lhe peço
Quando as sílabas se esvaírem, posso eu pensar em regresso
E desistir relutante a pensar: como pude eu querer te amar?

Nenhum comentário: