sábado, 6 de novembro de 2010

Destinatário

Tenho uma música na cabeça enquanto escrevo
E eu escrevo você bem sabe para quem.
Chego a pensar que você não se interessa
Recorro então a um lamento,
A uma canção cantada apenas por mim
Cujos instrumentos são os sentimentos que você inspirou.
Só não me olhe compadecido
Pois o meu amor-próprio não aceita esmolas.
Se um dia for afeição de verdade
Eu te compro um caderno e te mando todos os versos meus
Afinal, eles já te pertencem mesmo.

Nenhum comentário: