domingo, 31 de outubro de 2010

Time to Halloween

Quero mais doces, mais medo e mais travessuras.
Pra quem sempre achou que a realidade deveria ser mais legal,

Feliz Dia das Bruxas.

sábado, 30 de outubro de 2010

Recesso

Estou dando um tempo para a criatividade infeliz
O que escrevo ultimamente não me agrada.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Impaciência

Chega de sorrisos ensaiados
E pare de achar que sua vida é a que todos queriam ter

Menos felicidade, por favor
Porque essa sua não me agrada

Se suas futilidades são suficientemente boas para alimentar sua carência,
ótimo!
Guarde-as todas pra você.

sábado, 23 de outubro de 2010

As rimas me obrigam

Eu só quero algo que sirva de exemplo
Um exemplo que não me cause dor
Pois alguns são realmente incômodos
Quando se trata de amor

Não gosto muito deste assunto
Falo dele com certo pudor
Eu odeio rimar tudo
Para mim é, deveras, um labor

Grande coisa o que sinto
É o que você deve estar pensando
Muitas vezes com as palavras eu minto
Para mim isto é um verdadeiro desencanto

Por que amar é o que pergunto
Por que chorar pelo amor é o que reclamo
Por que eu sou assim é um novo assunto
Você me pegou, eu confesso: eu amo!

Poesia não existiria sem amor
Nem as músicas dos Beatles que você tanto ouve
Você me ama é o que eu amo supor
Amor meu, tudo isso e você nunca soube.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dignidade

Aparências que não enganam mais.
Olhos despidos; floresce a real disposição dos devaneios,
Os que não deviam voar batem asas ferozmente.
Aqueles, os escondidos - bem enterrados - sob os sete palmos de dignidade.
As maçãs-do-rosto coram, mas qual sua finalidade?

Você é o que pensa e o que ardentemente sonha em ter.


Maravilha! Enterre tudo outra vez.
Nem sempre o que vem à cabeça é digno
.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

À Sociedade dos Poetas Mortos

O vento resvala em meu rosto mas eu não sinto, só ouço.
Ouço-o sussurrar em meus ouvidos: Carpe diem
Ele brinca com os meus cabelos despenteando-os, mas só.
Não há refresco e nem salvação deste calor infernal, desta rotina absurda.
O vento dança à minha volta, meus movimentos são lentos demais.
Tem-me por arrebatamento ou tenta; tentador.
Os filhos da gravidade serão deixados rentes ao chão.

Eu vou conforme o seu balanço; não me solte é o que peço apenas.
Vou contigo a buscar o tempo, a minha vida, a que eu quero viver.
A semi-vida que carrego como cruz será crucificada antes que este fim seja o meu.

sábado, 16 de outubro de 2010

Auto-depreciação

Ria de si mesmo e não ouça o que a sanidade diz
Auto-depreciação é a morte da melancolia
Ou amiga desta, tanto faz
Ame-se, odeie-se, chute o que quiser
Pois o dia hoje é seu e de mais ninguém.

Curiosidade

Sou cética quanto à crença em astrologia, mas esse ceticismo tenta minha curiosidade. Áries ascendente em Sagitário. Descobri coisas que fazem sentido e outras que não.

Nunca se sabe e no saber não há mal algum.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Molde

Quem diria que as flores teriam um nome
e as nuvens, formatos diferentes.
Não, senhor, está tudo em sua cabeça.
A beleza é idealizada para render carícias aos olhos.
Ela nada mais é do que massa de modelar bem modelada.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Maurício (Legião Urbana)


Já não sei dizer se ainda sei sentir
O meu coração já não me pertence
Já não quer mais me obedecer
Parece agora estar tão cansado quanto eu
Até pensei que era mais por não saber
Que ainda sou capaz de acreditar
Me sinto tão só
E dizem que a solidão até que me cai bem

Às vezes faço planos
Às vezes quero ir
Pra algum país distante
Voltar a ser feliz

(...)

domingo, 10 de outubro de 2010

Amor próprio

Idéias erradas persuadem o meu juízo
Já que você é tão digno de mistério, deixe estar
A obscuridade te traz mais atrativos
Mas ainda flerto com as idéias erradas

Acho que a questão aqui sou eu,
não você.
Não agora.

sábado, 9 de outubro de 2010

Outro alguém

Você não sabe das coisas que guardo,
Mal desconfia de que sou eu quem as guarda
Talvez

Tudo isso quer sair de mim quando você está por perto
O auto-controle é vencido pelos meus olhos
Olhos que são seus

A voz emudece e
Os modos que a moça têm
vacilam

Eu não te amo
Ao certo, não sei o que sinto
Se é um sentimento de posse ou algo parecido
Estranho e muito
Pois você pertence a outro alguém

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Sobriedade

Dizem que sim; um não descarado procede
Prometem "para sempre"; desmentem amanhã
Final de noite memorável, só por uma ou por todas elas
Há quem prove que o fim é um começo

e que o começo parece ser o fim

O dia seguinte é de disfarce e recato:

Recato mais hipócrita esse um.

sábado, 2 de outubro de 2010

Holofote

Todas as estrelas indo embora do céu como fruto maduro, caindo
Apagadas pela vasta escuridão; ao meu ver incandescentes,
ascendem
Quero um pouco mais de luz e brilho aqui comigo
Meus demônios despedem-se, seguindo
Paz súbita e amor-próprio induzido

Deveras um rodapé

O mesmo nome de três anos atrás.
Lá vai a garota se iludindo de novo. Não, por favor.
É sempre assim e acaba sempre sem começo.