terça-feira, 22 de junho de 2010

Solidão à francesa

Ela esteve esperando por um momento,
um instante, todo esse tempo
a beira do Sena aos devaneios, vendo barcos d' amor.
Na cidade das luzes, sua luz a brilhar não estava
e se mal observada, mal existia.
Sentada no café, admirando a torre Eiffel,
estava sozinha na terra dos franceses.

Um comentário:

Kenia Cris disse...

Sozinha em Paris?! Que triste. Solidão não combina luz...

Beijo sempre carinhoso.