sexta-feira, 30 de abril de 2010

Sem nexo,

sem rima e sem graça: assim é a menina em sua essência. Ela quer o mundo, o mundo lá fora. Porém não possui ousadia, é o seu grande defeito. Ao desejar o mundo, assusta-se com o que deseja. Fica então sob sua casca, sua casca protetora, inventando um mundo sob medida para seus medos e devaneios. Um dia se esquecerá de viver.
(...)

Ordens (?) ao tempo

Sol, não brigue com as nuvens! Eu gosto tanto delas... são o meu entretenimento em dias nublados, tão nublados e frios.
Ao nublarem os dias ficam tristes, melancólicos e cinza... e eu gosto deles assim. Quero
alguns dias de sol com borboletas voando pelos campos, como na primavera, apenas pra quebrar a tristeza - podem ser sábados e domingos. E a chuva - serena - pode vir à noite (bem de noitezinha), aumentando a sonolência, o prazer de um filme com pipoca, de uma música antes de ir pra cama e a necessidade de um abraço quentinho, aquele que só mãe sabe dar.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Sendo

Sou doce ou melhor, quase doce... estou mais para agridoce, se você quer saber. Porque ninguém consegue ser gentil, simpático, educado e delicado o tempo todo. Sou estranha, mas me arrisco sim, algumas vezes, em dizer que sou completamente normal.
Sou sem coração, mesmo que em meu interior eu seja mais romântica que um francês. Sou inconstante, as pessoas vêem constância, mas - que diabos! - é só o que elas vêem!

Same old story


What if I say I'm not like the others?
What if I say I'm not just another one of your plays?
You're the pretender
What if I say that I'll never surrender?

I'm the voice inside your head, you refuse to hear
I'm the face that you have to face, mirrored in your stare
I'm what's left, I'm what's right, I'm the enemy
I'm the hand that'll take you down, bring you to your knees

So, who are you?
Yeah, who are you?
Yeah, who are you?
Yeah, who are you?

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Grease

Tell me more, tell me more
Was it love at first sight ?
(...)
Summer fling, don't mean a thing, but oh oh the summer nights...
Ai ai, aquela época *-* E por que eu não a vivi ? Por quê ?!

O tempo

Ó velho e sábio tempo,
maldito sejas.

Na diversão tu passas veloz sobre nossas cabeças: ela se esvai no que parecem ser segundos, os mais felizes segundos. Na dor tu te demoras séculos e séculos. Tu és injusto e incontrolável. Ai de mim.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Tolice

Fiquei perdida tentando me encontrar na esquina, na cozinha, no sótão e no porão. Na esquina dei de cara com meus dilemas, fugi pra cozinha: guloseimas espalhadas por todo canto, mas eu não queria sentir nada, não queria degustar nada que fosse doce... no sótão, encontrei sanidade... tudo o que não convinha no momento, eu só queria um momento insano. Encontrei então, descendo as escadas, um canto só pra mim, no porão. Livrei-me - em partes - da sanidade, das guloseimas e, reavendo meus dilemas - com a pouca sanidade que ainda me perseguia - tentei pensar neles... ou melhor, achar algum fim para eles... pois a razão muitas vezes nos atrapalha... mas nem pude, tolice minha, são dilemas! disse a mim mesma enquanto alguém batia à porta.

I'm dancing in the moonlight,
it's caught me in its spotlight
it's alright, alright
Dancing in the moonlight
On this long hot summer night.


Smashing Pumpkins (cover Thin Lizzy)

domingo, 25 de abril de 2010

sábado, 24 de abril de 2010

Devaneio #2

Talvez eu continue assim. Talvez eu faça uma tatuagem e mude de endereço. Talvez eu ame, chore, me apaixone ou simplesmente caia de amores. Talvez eu me case, tenha filhos, um cachorro ou um gato, talvez eu tenha uma casa com um jardim de margaridas e um chafariz. Talvez eu me forme, pegue o meu diploma e consiga um bom emprego. Talvez eu viva por aí sem rumo. Talvez eu more em Londres e vá para Notre Dame aos domingos para rezar. Talvez eu parta, só por uns tempos, bons tempos. Talvez eu vá de trem.
Pessoa na janela, Salvador Dalí

Talvez eu viva em devaneios,
devaneios como este...
Quem sabe?

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Falta de vocabulário

- Coitadinha - todos diziam. Ela é tão boazinha, tão meiga, tão gentil, tão educadinha, um amor de pessoa.
Enquanto agradecia, gentilmente, a menina pensava (com raiva): retirando o coitadinha, eu até aceito os elogios :@

coitado adj. e sm. desgraçado, mísero.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Maldição do palhaço

Maquiagem borrada, vestes aos trapos. Pobre coitado, está ficando louco. Louco de tanta alegria. Esqueceu-se da própria vida, proporcionando vida a outros.

Pequeno agrado

Ela soa tão bem aos ouvidos, é como uma brisa vespertina que te beija o rosto. É leve, bela, te dá flores, te leva ao parque e promete coisas maravilhosas. Acreditando, você se sente mais confiante, mais cheio de si. Entregando-se, você vende sua alma e faz um pacto. Assina um contrato que te mantém preso às cláusulas pegajosas que vão te seguir por um bom tempo. Seguindo o combinado, você muitas vezes se perde, mas encontrando um caminho, ela te ensina a atravessá-lo. Ela te segura pelas mãos e até te carrega nos ombros, te guia para o caminho que for mais atraente. Te envolvendo a cada segundo, ela é como uma substância tóxica que te vicia com uma intensidade cada vez maior. Você fica obcecado, vê coisas. Você se alimenta dela e ela de você. Ela é uma peça teatral bem encenada. Você, o protagonista, coadjuvante e também figurante.
Eis a mentira.

domingo, 18 de abril de 2010

Perambulando

Ozzy Osbourne quer Johnny Depp em seu filme autobiográfico. Q
Segundo o cantor, Depp é um dos poucos atores que entendem de rock ‘n’ roll e que sabem imitar muito bem o sotaque inglês, explica.
É aquela velha história: os dois se parecem ?

sábado, 17 de abril de 2010

Quinze

Da vida ganhei um pequeno cordão.
Ornando-o, uma chave e um coração.

O coração nasceu comigo,
costurado nele, veio uma fechadura.

A chave está guardada. E eu não diria aonde está...
(Na terceira gaveta da cômoda em escanteio com a parede dos risos e das lástimas)

Ao lado de quatorze margaridas e um botão,
botão que floresce amanhã.
Margarida de número quinze.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Down

A realidade é uma mera chatisse. Direi tchau à ela perambulando pela terra do nunca que vou criar, no meu país das maravilhas. Correndo pelos campos, por castelos medievais, assustando criancinhas com o meu jeito doce de ser e quebrando corações de príncipes-sapos que aparecerem no caminho. Não dançarei com borboletas e pássaros...
Passadas dezoito horas em um dia, às 18:25, melhor dizendo, dançarei com os corvos - meus amigos - que cantarão para mim ao pôr-do-sol. E, novamente, ao som das vinte e três horas, sob a luz da lua e das estrelas, dançarei com o relógio da igreja.

domingo, 11 de abril de 2010

Inútil

Aqui jaz um verso meu, aqui jaz um pequeno verso meu,
este verso todo meu, eu fiz para a vida.
Com flores e indesejáveis ervas daninhas estou aqui a enfeitá-lo.
verso de palavras desarranjadas, torcidas, distorcidas
qualquer observação que se possa ler em um rodapé (e não entender).
Um dia, quem sabe, farei tudo certo.
Aliás, não sei porque motivos estou aqui a escrever
talvez a falta do que há a fazer ou o tempo que me sobra,
a falta de inspiração para as coisas cotidianas,
tão rotineiras e tão sedutoras que me prendem em acomodamento
ou talvez (pouco provável) a falta de um amor...
mas isto a vida resolve... deixarei, assim, este assunto por conta dela.
Este verso que não tem nada de meu, eu fiz para o vazio:
para o meu vazio particular.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Antes de fazer um blog,

você tem vários textos pensados, várias ideias, é só fazer o blog e começar a escrever. Quando você faz um blog, tudo isso se esvai.




Tentarei, eu prometo.